A imponência da Estação da Luz

Considerada uma das edificações mais imponentes e a estação ferroviária mais importante da cidade de São Paulo, a Estação da Luz foi inaugurada há 151 anos (em 16 de fevereiro de 1867). Sua arquitetura majestosa e secular nos faz sentir em uma estação de Londres ou Paris.

Composição na Estação da Luz. Click: Susana Branco

Seu projeto arquitetônico é de autoria do arquiteto britânico Charles Henry Driver. Ele foi um dos primeiros arquitetos a projetar uma cobertura envidraçada para uma estação ferroviária na linha de Midland Railway, nas cidades de Leicester e Hitchin, em Kettering e em Wellingborough, respectivamente, em 1857. Também trabalhou na London, Brighton and South Coast Railway.

A estação é a segunda mais movimentada da rede metro-ferroviária de São Paulo, com uma entrada de 147 mil passageiros por dia. Perde somente para a Estação Brás (150 mil) em número de pessoas que embarcam em estações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). As instalações da CPTM são quase todas subterrâneas.

Um olhar acima dos trilhos da Estação da Luz, em Sampa (SP / Brasil). Click: Giovani Santos

Além de ser marco zero na ferrovia paulistana, a Luz é uma das principais estações de transferência em horário de pico: recebe duas linhas de trens de alta capacidade com função terminal (Linha 11–Coral e Linha 7–Rubi) e faz transferência para a Estação Luz do Metrô, que recebe outras duas linhas (Linha 1-Azul e Linha 4-Amarela, sendo esta uma estação terminal).  

Museu da Língua Portuguesa

Em dezembro de 2015, um incêndio destruiu o Museu da Língua Portuguesa, inaugurado em março de 2016 como parte do complexo da Estação da Luz. Em seus três primeiros anos de funcionamento, mais de 1,6 milhão de pessoas visitaram o espaço, consolidando-o como um dos museus mais visitados do Brasil e da América do Sul.

Devido ao incêndio, parte do prédio da Estação da Luz está sendo restaurado e coberto por uma tela de proteção. A previsão é que as obras de restauração do Museu da Língua Portuguesa sejam concluídas em 2019.

 

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *