História nas ladeiras e igrejas de Ouro Preto

As ladeiras da setecentista cidade de Ouro Preto conduzem à memória da antiga Vila Rica, de um Brasil Colônia que se formou com a exploração de ouro e pedras preciosas e da mão de obra escrava. 

Percorrer o calçamento da fascinante Ouro Preto, conhecer as muitas igrejas, conduz à história de um período em que predominava a lei do mais forte. 

Em razão de seu valor histórico e arquitetônico – o barroco europeu adaptou-se à geografia, que ofereceu singularidade ao barroco mineiro – , um decreto de 1933 concedeu a Ouro Preto o título de Cidade Monumento Nacional. Em 1980, foi reconhecida pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade. 

Ouro Preto possui muitos templos religiosos, entre igrejas, capelas e passos. Todos fecham para visitação às segundas-feiras e vários deles cobram ingresso. 

Igreja das Mercês e da Misericórdia em Ouro Preto (MG / Brasil). Click: Giovani Santos

O passeio deve iniciar na Matriz de Nossa Senhora do Pilar e seu Museu de Arte Sacra. Outras igrejas que merecem ser incluídas no roteiro são: Matriz Nossa Senhora da Conceição, onde está o retábulo de Nossa Senhora da Boa Morte e o túmulo de Antonio Francisco de Lisboa, o Aleijadinho; Igreja de São Francisco de Assis, considerada obra prima de Aleijadinho; Igreja de Nossa Senhora do Carmo, que fica ao lado do Museu da Inconfidência.  

Escadaria conduz ã Igreja de Nossa Senhora do Carmo, em Ouro Preto (MG / Brasil). Click: Giovani Santos

A Ouro Preto contemporânea reúne uma infinidade de bares e restaurantes com a saborosa gastronomia mineira e um contraste entre o passado e o presente, graças à presença de jovens estudantes dos vários campi da Universidade Federal de Ouro Preto. 

História de suor e sangue

Consta que a primeira pepita de ouro foi encontrada na região na última década do século XVII, por homens de uma expedição comandada por Duarte Lopes, os rudes bandeirantes que buscavam minérios na lendária Serra de Sabarabuçu, seguindo relatos indígenas. O achado foi levado ao governador da Capitania do Rio de Janeiro e, a partir de então, seguiu-se a corrida ao ouro. 

Em 1709, teria sido criada a Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, tendo Mariana como capital. Dois anos depois, nasceu a Vila Rica de Albuquerque. Em 1720, Minas tornou-se uma capitania autônoma e a capital foi transferida para Vila Rica, atual Ouro Preto. 

O ouro foi farto até 1750, quando começou a escassear. A Coroa Portuguesa passou a intensificar a fiscalização, combater o contrabando e exigir o pagamento de impostos atrasados. A opressão fez crescer a revolta e culminou com a Inconfidência Mineira. Considerado líder do movimento, Joaquim José da Silva Xavier, conhecido como Tiradentes, foi delatado e punido com a morte na forca.

Em 1823, Vila Rica passou a ser denominada Imperial Cidade de Ouro Preto e permaneceu como capital da Província de Minas Gerais até 1897, quando foi inaugurada Belo Horizonte. 

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *