Desafios e belezas nas rodovias ao Norte da Argentina e Chile

Ventos fortes empurram a moto, exigindo muita habilidade do piloto. À garupa, resta agarrar-se ao companheiro de viagem e torcer para chegar logo ao destino pela bela Ruta Del Desierto.

Preparado para enfrentar a altitude. Click: Susana Branco

Ao cruzar a fronteira entre Argentina e Chile em Paso de Jama, deixamos a Ruta Nacional 52 (AR) e passamos a trafegar na rodovia chilena Ruta 27 (CL). Ambas cortam a extensa Reserva Nacional Los Flamencos.

Cores das rochas surpreendem a cada momento. Click: Giovani Santos

Embora árida, a paisagem é maravilhosa. Ao longe, pode-se avistar alguns animais da fauna regional, como a lhama. A imensidão do deserto e o reduzido tráfego na rodovia de pista única conduz o viajante à reflexão.  

Perspectiva a partir de mirante junto à Ruta 9, próximo à cidade de Maimara (AR). Click: Giovani Santos

É bom se preparar para o longo trecho a ser percorrido, devido à ausência de posto de combustível ou qualquer outro ponto de parada até a cidade de San Pedro de Atacama. 

Artesanato indígena com rochas de sal à venda nas Salinas Grandes de Jujuy, próximo à Ruta 52, noroeste da Argentina. Click: Susana Branco

Essa experiência vai se repetir em outros trechos de rodovias que cortam o deserto, por isso é bom manter o tanque de combustível cheio e levar água para beber.

Belo traçado da Ruta 52, que liga a Argentina ao Chile pelo Norte desses países. Click: Susana Branco

Serviço: Recomenda-se levar água potável e abastecer o veículo no último posto de Susques (junto ao restaurante e hotel Pastos Chicos há uma única bomba com gasolina). Também não há sinal de telefonia em todo o trecho. Por tais razões é aconselhável fazer o percurso à luz do dia. 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *