Santiago, a capital e mais antiga cidade do Chile

Como toda grande cidade, Santiago do Chile exige atenção no trânsito e também cuidado ao se caminhar pelas ruas da cidade. Há intenso policiamento e os próprios policiais advertem os visitantes para tomarem cuidado com objetos e valores (câmeras fotográficas e pertences pessoais, por exemplo). 

Percorrer os corredores estreitos do Mercado de Santiago do Chile é um convite para conhecer os hábitos alimentares – vale experimentar um ceviche – e costumes dos moradores. Click: Giovani Santos

Estacionar também pode ser complicado na capital chilena. Por isso optamos por chegar a Santiago no final da tarde de sábado e circular pelo centro apenas durante a manhã de domingo.

A Catedral Metropolitana de Santiago do Chile. Click: Giovani Santos

Ruas arborizadas tornam agradável o clima quente da primavera na capital.

O Palácio de La Moneda abriga o gabinete da presidência da República e alguns ministérios e as visitas tem que ser agendadas. Click: Giovani Santos

Igrejas imponentes e seculares, o mercado municipal e o Palácio La Moneda foram alguns dos locais que visitamos antes de partir rumo à Ruta CH-70, a majestosa subida Los Caracoles em direção à fronteira com a Argentina, em Paso Los Libertadores, no alto da Cordilheira dos Andes e próximo ao Aconcágua, o ponto mais alto da América do Sul, localizado na cidade de Mendoza, Argentina.

Lhama domesticada no centro de Santiago do Chile. Click: Giovani Santos

Serviço: Há voos regulares para Santiago do Chile e podem ser feitos por várias companhias aéreas. Por rodovia, a partir do Brasil, pode-se seguir a Mendoza, na Argentina, atravessar a divisa com o Chile no Paso Los Libertadores e fazer o trajeto pela estrada de Los Caracoles até Santiago. Outra alternativa e fazer a travessia do Deserto do Atacama após cruzar a fronteira em Paso de Jama, na divisa com a Argentina ao Norte do país. 

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *